Casa Civil

Saúde

Acidentes ofídicos e distribuição das serpentes peçonhentas de importância médica no Paraná.


Objetivo - Espacialização das informações coletadas, na Secretaria de Estado da Saúde, de acidentes ofídicos e da distribuição de serpentes peçonhentas no Estado; através de ferramentas de geoprocessamento. Este aplicativo faz parte de um projeto federal, realizado juntamente com o Instituto Butantã de São Paulo e tem como objetivo final a detecção das influências ambientais na epidemiologia destas ocorrências.

Cliente - Secretaria de Estado da Saúde.

É aplicável somente ao governo ou pode ser utilizada também por empresas privadas?
Aplicável ao governo e a empresas privadas que administrem dados similares.

Benefícios:
  • Permite monitorar e gerenciar informações que não são detectadas naturalmente pelos sistemas alfanuméricos, através das relações de vizinhança e proximidade.
  • Permite a integração a outras bases de dados.
  • Automatiza processos realizados manualmente.
  • Fornece, ao cidadão, dados importantes na prevenção de acidentes.

Principais processos suportados/funcionalidade da aplicação
Monitoração e prevenção de acidentes através da detecção de fatores de risco para o controle e distribuição dos medicamentos necessários.

Principais dados envolvidos/informações disponibilizadas

  • Acidentes com ofídios e serpentes;
  • distribuição geográfica de coletas de serpentes peçonhentas;
  • distribuição ordenada da incidência dos acidentes.

Plataforma de desenvolvimento da Solução

Ambiente Desktop, sistema operacional Windows 2000, software Visual Basic e MapObjects.

Requisitos (hw/sw)

# No ambiente cliente:
Ambiente Client, sistema operacional Windows 2000 ou superior, licença run-time do software Map Objects da Esri.


Leitora de Formulários

No mês de setembro de 2000 a SESA realizou o evento "Fórum de Integração das Equipes de Saúde da Família". O evento contou com a participação de 600 pessoas de todo o estado.

Um dos objetivos do trabalho era traçar um perfil dos profissionais que atuam nesta atividade. Então, no início das atividades do evento estes profissionais preencheram um questionário elaborado pela coordenação do evento com 13 questões, acompanhado de um gabarito para que as respostas fossem registradas.Durante outras atividades do evento, processamos estes questionários através da leitora de gabaritos disponível na Celepar. Após a leitura das respostas, as mesmas foram submetidas a um sistema que já havia sido desenvolvido capaz de ler o arquivo texto gerado pela leitora e gerar a estatística das respostas com os cruzamentos necessários.

Também já havíamos preparado uma apresentação no PowerPoint, previamente, onde inserimos os resultados da pesquisa. Após este fluxo, foi possível apresentar e proporcionar aos 600 participantes do evento, no período da tarde, a apresentação e discussão de itens fundamentais para definição das estratégias de continuidade do projeto.

A experiência foi muito produtiva, apresentando uma alternativa de retorno aos participantes, que não teríamos outra oportunidade a curto prazo de reuní-los novamente para discussão.



O Uso de Business Intelligence no Controle Hemoterápico


O Estado do Paraná,desenvolveu um projeto conjunto entre Secretaria de Estado da Saúde e a Companhia de Informática do Paraná – CELEPAR, utilizando a tecnologia de Business Intelligence para obtenção de informações gerencias para o controle das doações e transfusões sanguíneas ocorridas no estado.

A Secretaria de Estado da Saúde dispõe de sistema informatizado para o controle de todas as doações e transfusões de sangue que ocorrem no estado, sejam elas através de Bancos de Sangue públicos ou privados. O Sistema de Controle Hemoterápico – SHT , como é denominado, foi implantado em 1992, e tem como finalidade rastrear qualquer doação ou transfusão de sangue realizada no estado. Além disso possibilita dispor de uma série de informações como doadores aptos e inaptos a doação, causas de rejeições na ocasião da doação, reações transfusionais, faixa etária dos doadores, entre outras.

Os dados que alimentam o sistema são provenientes dos bancos de sangue que mensalmente os enviam à Secretaria de Saúde para processamento e cruzamento das informações. Estes dados são alimentados através de um módulo do sistema para microcomputador disponbilizado para os bancos de sangue. Para os bancos de sangue que já dispõem de sistemas informatizados, apenas são feitas as validações das informações.

O grande desafio sempre foi colocar a disposição da gerência do sistema os 10 milhões de registros gravados até a data de hoje ao longo de seus 8 anos. A diversidade de cruzamentos, indicadores e níveis de agregação nos levou a utilizar a tecnologia de BI para extração destas informações.

A parte principal de todo o processo refere-se a modelagem do negócio do cliente. É a partir desta definição que são gerados os "cubos" que permitem deixar disponível grande parte das necessidades do cliente, dando agilidade ao processo de consulta aos dados. O cliente passa a acessar qualquer informação do banco de dados em tempo real, no nível de desagregação que desejar.

Com a tecnologia de BI foi possível disponibilizar ao cliente informações suficientes que possibilitam a gerência adequada do sistema e contribuir na definição da política de sangue no Estado. Com a informação disponível no momento necessário, é possível definir estratégias para o controle efetivo da qualidade do sangue fornecida a população.

Tecnologia

O processamento dos dados é realizado no mainframe em banco de dados Adabas na CELEPAR. No cliente, Secretaria de Estado da Saúde, é utilizada rede local com banco de dados SQL Server e Excel2000. Através do recurso de DTS- Data Transformation Service do SQL o banco de dados é atualizado com a produção mensal.

Serviços da Central de Transplantes na Internet

A Central de Transplantes do Estado do Paraná, efetivada através do projeto Comissão Especial de Transplantes de Órgãos foi inaugurada em 13 de dezembro de 1995, e tem como objetivos assegurar a justiça na distribuição de órgãos e tecidos, desenvolvendo o princípio da distribuição eqüitativa; regulamentar a procura e a distribuição de órgãos e tecidos para transplante no Paraná; incentivar a procura e captação de órgãos e tecidos no Paraná; aumentar efetivamente a captação e o aproveitamento de órgãos e tecidos.

Para atingir seus objetivos, a CET-PR tem como atribuições:
# Coordenar o Sistema Estadual de Transplantes; elaborar e definir normas técnicas e manuais de procedimentos, juntamente com a comunidade científica;
# manter e gerenciar os cadastros de pacientes, equipes e centros de transplantes;
# receber notificações de pacientes em situação de morte encefálica;
# proceder a distribuição eqüitativa dos órgãos, conforme critérios aceitos pela comunidade científica e de usuários;
# elaborar relatórios periódicos de todas as atividades, dispondo das informações para a comunidade;
# promover a conscientização e educação da comunidade médica e leiga para o transplante de órgãos e tecidos.

A CET dispõe de um sistema informatizado que foi criado a partir da necessidade do Ministério da Saúde de controlar e avaliar a Captação e a Distribuição de órgãos para transplantes no Brasil e fornecido aos estados.Devido a diversos fatores técnicos e geográficos, as listas de pacientes aguardando transplantes são regionais e gerenciados pelas Centrais de Notificação, captação e Distribuição de Órgãos (CNCDO) registradas pelo Ministério da Saúde nos estados.

Os critérios utilizados para a criação do sistema são da Lei nº 9.434, regulamentada pelas portarias e normas expedidas pela SAS/MS.

No mês de setembro deste ano, a CET do Paraná, disponibilizou através de seu site na Internet à consulta a lista de espera pelos pacientes cadastrados na Central. Através de identificação através de senha os pacientes têm acesso as informações pessoais, resultados de exames e a condição em que o mesmo se encontra para receber um órgão, podendo desta forma ter a segurança de está cadastrado e têm seus dados atualizados. Também foi disponibilizado aos profissionais médicos, participantes de equipes transplantadoras, o acesso aos dados de seus pacientes. Qualquer solicitação tanto dos pacientes quanto dos profissionais podem ser feitas através do e-mail da Central disponível na página.

Além destes serviços, o site disponibiliza estatísticas de receptores em lista por tipo de órgão, apresenta os critérios para doação e recepção, e outros dados de interesse sobre o assunto.

Este trabalho foi desenvolvido em conjunto com a Celepar e o Departamento Técnico de Informática da Secretaria de Estado da Saúde.

Recomendar esta página via e-mail:
  • Facebook
  • Instagram

Central de Atendimento

  • Enviar mensagem
  • Chat on-line
  • Regionais
  • WhatsApp
  • Solicitação de Serviços
  • LOJA DA CELEPAR
  • Banner trânparência PTE
  • banner transparência