Casa Civil

Melhoria de Qualidade na Produção de Software da CELEPAR

por Cristina Angela F. Machado e Eleni Lumi Hiratsuka

A crescente demanda por produtos de software com alto grau de atendimento aos requisitos do cliente e que apresentem melhores resultados em termos de prazo, custo e qualidade dos produtos/serviços tem motivado organizações do mundo inteiro a adotarem modelos de maturidade. Esses modelos têm como premissa que a qualidade do produto dependente da qualidade do processo no qual ele é desenvolvido, por essa razão o foco desses modelos é o processo. A essência dos modelos é definir uma trilha aonde se estabelecem níveis de maturidade para que a empresa os percorra rumo a qualidade. Essa trilha passa de um estado de produção “artesanal” para o “industrial” com uma produção efetiva e profissional.

Um desses modelos de maturidade é o MPS.Br que foi criado no Brasil em 2002 com o intuito de melhorar a qualidade dos processos e produtos da indústria nacional. A realidade de 2002 era que existiam somente 30 empresas certificadas em modelos de maturidade e que era necessário aumentar o número de empresas certificados sob pena do Brasil perder espaço nessa indústria. Após 8 anos de implantação do MPS.BR, temos mais de 360 empresas certificadas e com ganhos significativos de produtividade e qualidade. Um exemplo da melhoria sentida pelas organizações é que após 3 anos de adoção de um modelo de maturidade a redução de defeitos nos produtos de software é de 39% o que proporciona uma qualidade para o usuário do produto.

A CELEPAR no intuito de obter os benefícios da melhoria de processos iniciou um programa denominado “MQS - Melhoria de Qualidade de Software” em fevereiro de 2011. Esse programa tem como objetivo melhorar, não somente o processo de software, mas o que se chama tripé da qualidade que corresponde as seguintes áreas: processo, tecnologia e pessoas. Esse tripé está sendo trabalhado pela CELEPAR por projetos específicos que permitam, em um curto espaço de tempo, um ganho de qualidade para a empresa e Governo do Estado. O projeto, objeto desse artigo, é o que se refere a Melhoria da Qualidade que tem como meta a definição, acompanhamento e melhoria dos processos de desenvolvimento de software, com forte inter-relacionamento com os outros projetos, que são voltados às pessoas (treinamento) e tecnologias.

O projeto de Melhoria de Qualidade tem como objetivo a implantação do MPS.Br nível G na CELEPAR, que é composto pelos processos de Gerência de Projetos e Gerência de Requisitos. Para iniciar o projeto foram definidos alguns elementos norteadores que são:
  1. a participação das áreas produtoras seria imprescindível para se obter uma maior aderência dos processos à realidade da empresa;
  2. o foco não é o certificado em si, mas a melhoria de processos; e
  3. o sucesso do projeto deve ter como resultado melhores produtos para os nossos clientes e uma significante redução nos prazos dos projetos.

À partir dessas definições foi criada uma equipe núcleo para conduzir e dar sustentação ao projeto que está sob coordenação da GIC. Os colaboradores que fazem parte da equipe núcleo são: Carla Marchioro, Daniel Aiub Nunes, Danielle Mayer, Marcos Chiarello, Vagner Marcolino Lima e Eleni Lumi Hiratsuka, que é a gerente do projeto.

O projeto foi dividido em fases que são: diagnóstico, definição do processo, treinamento nos conceitos e processo da empresa, implantação nos projetos e avaliação MPS.BR.

A primeira fase foi conduzida em abril e maio de 2011 e foi responsável pelo diagnóstico da situação dos projetos em execução naquele momento. Esse diagnóstico apontou para uma situação crítica, pois os recursos da CELEPAR dedicados aos projetos estavam comprometidos em cerca de 60 meses, ou seja, a empresa não poderia iniciar nenhum outro projeto num período de 5 anos, se não houvesse algum mecanismo para mudar essa realidade. Essa constatação serviu para a inclusão do processo de Gerência de Portifólio, que cuida da seleção e sustentação dos projetos dentro da organização, como processo a ser definido, juntamente com os processos do nível G. Adicionalmente, foi definido que a Gerência de Portifólio seria a prioridade na implantação dos processos. Isso significa que todos os projetos da empresa, antes de serem iniciados, deveriam passar por uma avaliação de viabilidade.

Após o diagnóstico, foram criados grupos de trabalho com cerca de 20 analistas da CELEPAR. Esses colaboradores foram escolhidos num processo conjunto entre a Diretoria de Desenvolvimento (DD) e a Diretoria de Tecnologia de Informações (DTI). Os critérios utilizados para a seleção foram: todas as equipes de desenvolvimento deveriam estar representadas e seria necessário se ter uma mesclar nos níveis de experiência dos colaboradores em relação a tecnologia e tamanho dos projetos que estavam sendo conduzidos por eles. Como uma fase de nivelamento foram oferados para esses colaboradores selecionados treinamentos nas áreas de: melhoria de processos (MPS.BR), definição de processo, gerência de projetos e métodos ágeis, totalizando um investimento de 440 horas. Após esse nivelamento, os colaboradores foram divididos em 5 grupos de trabalho que iriam definir os processos. Esses grupos são:
  1. Gerência de Portifólio com a participação de Lilia Ferreira Pinheiro,Marcelo Henrique Dias Abreu, Marcia Yurimi Ono Sens e Marilia Malucelli Barbosa
  2. Gerência de Projetos com foco no planejamento de projeto com a participação de Rosane Antunes Fernandes, Cleverson Trajano P. Portes,Oksana Maria Wavruk Maruchin e Eleni Lumi Hiratsuka
  3. Gerência de Projetos com foco no acompanhamento de projeto com a participação de Marcos Vinicius B. Lanza, Carla de Carvalho Marchioro, Rosane Hartenthal Adriano e Marcos A. Chiarello
  4. Estimativa de Esforço com a participação de Luiz Carlos de Almeida Oliveira, Marcelo Luiz Hummelgen, Marco Aurelio Venturini e Danielle Terezinha Mayer
  5. Gerência de Requisitos com a participação de Tania Mara Vostoupal, Luciana Jozima Kyono, Maria Lucilia Maranha, Luciana Maria Reis da Costa e Vagner Carlos Marcolino Lima.

Após a definição dos processos pelos grupos, iniciou-se a fase de arquitetura dos processos, compatibilização e diagramação. Essas últimas atividades estão sendo executadas pela GIC com colaboração da DD e cujo conteúdo está disponibilizado no seguinte endereço http://www.pds.celepar.parana/pds/.

Com a definição de processos já realizada, seguiu-se da sua implantação gradual que se iniciou pela Gerência de Portifólio. O primeiro alvo da gerência de portifólio são os projetos da área de desenvolvimento de software, após esse processo será expadido para os projetos das outras áreas da CELEPAR. O estratégia de implantação foi a criação de um comitê que analisa todos as necessidades dos clientes e os projetos correspondentes sob o ponto de vista de sua viabilidade, importância para o cliente e CELEPAR e a solução técnica adotada, como forma de incentivar a inovação nesses projetos. Esse comitê tem a participação efetiva dos diretores da DD e DTI, dos gerentes da DD e GIC. Para cada projeto que é avaliado conta-se com a participação adicional do responsável pelo atendimento, do coordenador da área de desenvolvimento que irão “defender” o projeto perante o comitê. A Coordenação desse trabalho está a cargo de Luiz Carlos de Almeira Oliveira.

Paralelamente a implantação da Gerência de Portifólio, foram realizados treinamentos para 40 colaboradores da DD em Gerência de Projetos, Gerência de Requisitos, Pontos por função e Gerência de Riscos que totalizou 2600 horas. Nos meses de dezembro e janeiro estão sendo realizados os treinamentos para elaboração do Projeto Preliminar, Planejamento de Projetos e ferramenta de Gestão de Projetos com a participação de todos os gerentes e coordenadores da DD, acrescido de outros técnicos indicados por eles e que terá como resultado 60 colaboradores treinados nos novos processos neste ano de 2011. Para o ano de 2012 outras turmas serão montadas para que a meta de treinar 100% da DD seja atingida já no primeiro semestre de 2012. Adicionalmente, para efetivar a implantação dos processos na empresa, todos os projetos novos deverão estar no novo processo a partir de janeiro de 2012. Finalmente, essa implantação será coroada com a avaliação MPS.BR que estará sendo realizada em maio de 2012.

Para o ano que vem teremos mais algumas novidades como a aquisição da ferramenta de gerência de projetos, cujo pregão está sendo realizado em dezembro/2011, e da ferramenta para ALM, que poderá substituir a versão em uso do RSM, com o objetivo de automatizar o processo de desenvolvimento.

Para que isso seja possível estamos contando com o patrocínio do presidente da CELEPAR - Jackson Leite – e dos diretores da empresa para que o projeto se torne uma realidade. Mas, não podemos esquecer que todas essas iniciativas tem como principal foco a modernização e adequação da CELEPAR em relação as melhores práticas do mercado nacional e internacional e tem como objetivo principal elevar o nível de qualidade dos produtos da CELEPAR e a redução dos prazos dos projetos. Tudo isso com o foco na satisfação dos nossos clientes e para dotar o Estado do Paraná de sistemas mais eficazes e que atendam a população, afinal, essa é um dos motivos da existência da CELEPAR.
Recomendar esta página via e-mail:
  • Facebook
  • Instagram

Central de Atendimento

  • Enviar mensagem
  • Chat on-line
  • Regionais
  • WhatsApp
  • Solicitação de Serviços
  • LOJA DA CELEPAR
  • Banner trânparência PTE
  • banner transparência