Evento da Celepar reafirma o protagonismo da companhia em desburocratizar o serviço público facilitando a vida do paranaense
15/03/2019 - 18:53

Em evento no Teatro Bom Jesus, nesta sexta-feira,15, o presidente  da Celepar, Allan Costa, reforçou o papel da companhia para fomentar a transformação tecnológica do setor público estadual, criar novas plataformas e aprimorar os serviços prestados ao cidadão. “Estamos evoluindo o papel da Celepar para falar não apenas de tecnologia, mas também de inteligência. Temos a necessidade de desenvolver uma mentalidade adequada às transformações do mundo e tornar a Celepar protagonista deste processo”, afirmou Allan.

Para o o governador Carlos Massa Ratinho Junior, é tornar a Celepar referência nacional no setor de tecnologia voltado à prestação de serviços ao cidadão, da mesma forma que a Copel se destaca na área de energia. “Temos que fazer um redesenho na forma de prestar serviço público, e a Celepar é a chave desse processo”. “A Celepar pode ser uma empresa que preste serviço para o Brasil inteiro, criando soluções de tecnologia para outros estados e municípios”, disse.

Ratinho Junior ressaltou que é necessário preparar o Estado para as demandas dos próximos 30 anos, trabalhando com a gestão pública eficiente e moderna. “Temos que preparar o poder público para prestar o melhor solução para a população. A máquina pública ainda está na década de 1980, com procedimentos arcaicos, enquanto o mundo se desenvolve cada vez mais rápido”, disse.

Open Innovation

Allan Costa destacou que a empresa passará por uma modernização interna voltada à chamada open innovation (inovação aberta), que envolve outras startups e empresas de tecnologia para ter mais agilidade e menor custo neste processo.

A Celepar também trabalhará junto com as universidades e institutos de tecnologia do Estado para fortalecer o ecossistema de inovação paranaense.

“Temos um projeto com a Fundação Araucária chamado Startup Match. O principal gargalo das empresas de tecnologia hoje é ter acesso a recursos para desenvolver pesquisas e produtos inovadores”, explicou. “De outro lado, temos uma rede de universidades estaduais com diversos doutores que são pouco acessados por essas startups. Estamos criando uma plataforma de inovação aberta para fazer a ligação entre os pesquisadores e as necessidades das empresas”, disse.